O paradoxo de nosso tempo

  • Identifique-se para criar novos tópicos neste fórum
  • Visitantes anônimos não podem postar neste fórum
Jordão Brasileiro  Participativo De: BH/MG/Brasil  Postagens: 131

Sabe aquele dia que você acorda com mil e uma coisas para fazer, ao meio dia você sai para almoçar, correndo como sempre, e sem fazer 10% do que precisaria no dia, aí depois do almoço, ainda na mesa, para alguns segundos e pensa: "será que isso tudo vale a pena". Decide, ou melhor, conformasse em não ter tempo para pensar nisso agora, porque tem que correr para o escritório. Chegando abre sua caixa postal, vê vários emails de seus amigos, parentes, namorada, etc. Mas como você sabe que na maioria são piadas, brincadeiras e outras coisas que seus amigos acham "bacana" e gostam de compartilhar com você, acaba deixando para ler quando tiver um tempinho e vai direto nos email sobre assuntos profissionais, afinal você está trabalhando. Algum tempo depois, entre um email e outro, você abre um dos "não tão importantes como os profissionais" e lê um texto deste.

O Paradoxo de Nosso Tempo (George Carlin)

"O paradoxo do nosso momento na História é termos prédios mais altos, mas paciência curta; rodovias mais largas, mas pontos de vista mais estreitos;

Nós gastamos mais, mas possuímos menos; compramos mais, mas aproveitamos menos.

Nós temos casas maiores e famílias menores, mais conveniências e menos tempo; Nós temos mais diplomas, mas menos razão; mais conhecimento, mas menos juízo; mais especialistas e ainda mais problemas, mais medicina, mas menos bem-estar.

Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critério, dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos televisão demais, e rezamos raramente.

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores.

Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos frequentemente. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.

Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.

Fizemos coisas maiores, mas não melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos. Aprendemos a nos apressar, e não a esperar.

Nós construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos menos.

Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias. Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos corpos obesos e das pílulas que fazem tudo, de animar a acalmar, matar.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, porque elas não estarão por aqui para sempre. Lembre-se de dizer uma palavra gentil a alguém que te admira, porque essa pequena pessoa logo irá crescer e abandonar sua companhia.

Lembre-se de segurar a mão e enaltecer o momento, sabendo que um dia aquela pessoa não estará mais aqui. Conceda-se tempo para amar, conceda-se tempo para falar, conceda-se tempo para compartilhar os seus preciosos pensamentos.

O segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas querer tudo que você tem!"

guvilla  Iniciante   Postagens: 2

Poxa... deu até um nó na garganta... =/

A humanidade está cada dia pior e nos fazemos de cegos no meio desse tiroteio.
Quanto mais nos aficcionamos em evoluir, menos humanos ficamos. Quanto mais racionais, menos sonhamos.

Curtimos menos e ainda assim o tempo passa ainda mais rápido.

Será que nosso destino é esse?
Evoluir ao ponto de não termos tempo de tomar um café (ou uma cerveja) com amigos e dar boas gargalhadas sem maldade?
Sem olhar no relógio?

Até que ponto essa evolução vale a pena, não?
Até que ponto essas descobertas nos farão mais felizes?
Trazem maiores comodidades sem dúvida, mas o preço que se paga é realmente alto!

Até que ponto esse capitalismo fissurado vale a pena?

Também me pergunto muitas vezes... mas o duro é pensar: "adianta bater cabeça a vida inteira para ver que as coisas não mudam?"

Somos escravos do sistema... Parei de sonhar com mudanças há algum tempo... infelizmente!

Jordão Brasileiro  Participativo De: BH/MG/Brasil  Postagens: 131

Só nó na garganta? Da vontade de largar tudo e ir para casa! Mas como estamos "presos", tive que me contentar com uns 3 telefonemas... ehehhe.

  Pesquisa avançada






Entrada

Codinome:


Senha:





Perdeu a senha?  |Cadastre-se!


Quem nos visita
Há 34 visitantes neste momento... (23 na seção Fóruns)

Associados: 0
Anônimos: 34

outros...

Banner XOOPS Cube