XOOPS Brasil

 


[ anterior ] [ Conteúdo ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ 12 ] [ 13 ] [ 14 ] [ 15 ] [ 16 ] [ 17 ] [ 18 ] [ 19 ] [ 20 ] [ 21 ] [ 22 ] [ 23 ] [ 24 ] [ 25 ] [ 26 ] [ 27 ] [ 28 ] [ 29 ] [ 30 ] [ 31 ] [ 32 ] [ próximo ]


Guia Foca GNU/Linux
Capítulo 22 - Impressão


Este capitulo descreve como imprimir em seu sistema GNU/Linux e as formas de impressão via spool, rede, gráfica, etc.

Antes de seguir os passos descritos neste capítulo, tenha certeza que seu kernel foi compilado com o suporte a impressora paralela ativado, caso contrário até mesmo a impressão direta para a porta de impressora falhará. Para detalhes veja Recompilando o Kernel, Seção 16.11 .


22.1 Portas de impressora

Uma porta de impressora é o local do sistema usado para se comunicar com a impressora. Em sistemas GNU/Linux, a porta de impressora é identificada como lp0, lp1, lp2 no diretório /dev, correspondendo respectivamente a LPT1, LPT2 e LPT3 no DOS e Windows. Recomendo que o suporte a porta paralela esteja compilado como módulo no kernel.


22.2 Imprimindo diretamente para a porta de impressora

Isto é feito direcionando a saída ou o texto com > diretamente para a porta de impressora no diretório /dev.

Supondo que você quer imprimir o texto contido do arquivo trabalho.txt e a porta de impressora em seu sistema é /dev/lp0, você pode usar os seguintes comandos:

  • cat trabalho.txt >/dev/lp0 - Direciona a saída do comando cat para a impressora.

  • cat <trabalho.txt >/dev/lp0. Faz a mesma coisa que o acima.

  • cat -n trabalho.txt >/dev/lp0 - Numera as linhas durante a impressão.

  • head -n 30 trabalho.txt >/dev/lp0 - Imprime as 30 linhas iniciais do arquivo.

  • cat trabalho.txt|tee /dev/lp0 - Mostra o conteúdo do cat na tela e envia também para a impressora.

Os métodos acima servem somente para imprimir em modo texto (letras, números e caracteres semi-gráficos).


22.3 Imprimindo via spool

A impressão via spool tem por objetivo liberar logo o programa do serviço de impressão deixando um outro programa especifico tomar conta. Este programa é chamado de daemon de impressão, normalmente é o lpr ou o lprng (recomendado) em sistemas GNU/Linux.

Logo após receber o arquivo que será impresso, o programa de spool gera um arquivo temporário (normalmente localizado em /var/spool/lpd) que será colocado em fila para a impressão (um trabalho será impresso após o outro, em seqüência). O arquivo temporário gerado pelo programa de spool é apagado logo após concluir a impressão.

Antes de se imprimir qualquer coisa usando os daemons de impressão, é preciso configurar os parâmetros de sua impressora no arquivo /etc/printcap. Um arquivo /etc/printcap para uma impressora local padrão se parece com o seguinte:

lp|Impressora compatível com Linux
:lp=/dev/lp0
:sd=/var/spool/lpd/lp
:af=/var/log/lp-acct
:lf=/var/log/lp-errs
:pl#66
:pw#80
:pc#150
:mx#0
:sh

É possível também compartilhar a impressora para a impressão em sistemas remotos, isto será visto em uma seção separada neste guia.

Usando os exemplos anteriores da seção Imprimindo diretamente para uma porta de impressora, vamos acelerar as coisas:

  • cat trabalho.txt |lpr - Direciona a saída do comando cat para o programa de spool lpr.

  • cat <trabalho.txt |lpr. Faz a mesma coisa que o acima.

  • cat -n trabalho.txt |lpr - Numera as linhas durante a impressão.

  • head -n 30 trabalho.txt |lpr - Imprime as 30 linhas iniciais do arquivo.

A fila de impressão pode ser controlada com os comandos:

  • lpq - Mostra os trabalhos de impressão atuais

  • lprm - Remove um trabalho de impressão

Ou usado o programa de administração lpc para gerenciar a fila de impressão (veja a página de manual do lpc ou digite ? ao iniciar o programa para detalhes).

OBS1: Se a impressora não imprimir ou não for possível compartilhar a porta de impressora paralela com outros dispositivos (tal como o plip), verifique se o módulo parport_pc foi carregado e com os valores de irq e I/O corretos (por exemplo, modprobe parport_pc io=0x378 irq=7). Muitas vezes sua porta paralela pode funcionar sem problemas durante a impressão, mas se ao utilizar plip ocorrerem erros, a causa pode ser essa. Na distribuição Debian, use o programa modconf para configurar os valores permanentemente para o módulo parport_pc.

OBS2: Se tiver mais de uma impressora instalada na máquina, será necessário especificar a opção "-P impressora" para especificar qual impressora deseja imprimir/controlar.


22.4 Impressão em modo gráfico

A impressão em modo gráfico requer que conheça a marca e modelo de sua impressora e os métodos usados para imprimir seus documentos. Este guia abordará somente a segunda recomendação :-)


22.4.1 Ghost Script

O método mais usados pelos aplicativos do GNU/Linux para a impressão de gráficos do Ghost Script. O Ghost Script (chamado de gs) é um interpretador do formato Pos Script (arquivos .ps) e pode enviar o resultado de processamento tanto para a tela como impressora. Ele está disponível para diversas plataformas e sistema operacionais além do GNU/Linux, inclusive o DOS, Windows, OS/2, etc.

O formato .ps esta se tornando uma padronização para a impressão de gráficos em GNU/Linux devido a boa qualidade da impressão, liberdade de configuração, gerenciamento de impressão feito pelo gs e por ser um formato universal, compatíveis com outros sistemas operacionais.

Para imprimir um documento via Ghost Script, você precisará do pacote gs, gsfonts (para a distribuição Debian e distribuições baseadas, ou outros de acordo com sua distribuição Linux) e suas dependências. A distribuição Debian vem com vários exemplos Pos Script no diretório /usr/share/doc/gs/example que são úteis para o aprendizado e testes com o Ghost Script.

Hora da diversão:

  • Copie os arquivos tiger.ps.gz e alphabet.ps.gz do diretório /usr/share/doc/gs/examples (sistemas Debian) para /tmp e descompacte-os com o comando gzip -d tiger.ps.gz e gzip -d alphabet.ps.gz. Se a sua distribuição não possui arquivos de exemplo ou você não encontra nenhuma referência de onde se localizam, mande um e-mail que os envio os 2 arquivos acima (são 32Kb).

  • O Ghost Script requer um monitor EGA, VGA ou superior para a visualização dos seus arquivos (não tenho certeza se ele funciona com monitores CGA ou Hércules Monocromático) .

    Para visualizar os arquivos na tela digite:

    gs tiger.ps
    gs alphabet.ps
    

    Para sair do Ghost Script pressione CTRL+C. Neste ponto você deve ter visto um desenho de um tigre e (talvez) letras do alfabeto.

    Se o comando gs alphabet.ps mostrou somente uma tela em branco, você se esqueceu de instalar as fontes do Ghost Script (estão localizadas no pacote gsfonts na distribuição Debian).

  • Para imprimir o arquivo alphabet.ps use o comando:

    gs -q -dSAFER -dNOPAUSE -sDEVICE=epson -r240x72 -sPAPERSIZE=legal -sOutputFile=/dev/lp0
    alphabet.ps
    

    O arquivo alphabet.ps deve ser impresso. Caso aparecerem mensagens como Error: /invalidfont in findfont no lugar das letras, você se esqueceu de instalar ou configurar as fontes do Ghost Script. Instale o pacote de fontes (gsfonts na Debian) ou verifique a documentação sobre como configurar as fontes.

    Cada uma das opções acima descrevem o seguinte:

    • -q, -dQUIET - Não mostra mensagens de inicialização do Ghost Script.

    • -dSAFER - É uma opção para ambientes seguros, pois desativa a operação de mudança de nome e deleção de arquivo e permite somente a abertura dos arquivos no modo somente leitura.

    • -dNOPAUSE - Desativa a pausa no final de cada página processada.

    • -sDEVICE=dispositivo - Dispositivo que receberá a saída do Ghost Script. Neste local pode ser especificada a marca o modelo de sua impressora ou um formato de arquivo diferente (como pcxmono, bmp256) para que o arquivo .ps seja convertido para o formato designado.

      Para detalhes sobre os dispositivos disponíveis em seu Ghost Script, digite gs --help|less ou veja a página de manual. Normalmente os nomes de impressoras e modelos são concatenados, por exemplo, bjc600 para a impressora Canon BJC 600, epson para impressoras padrão epson, stcolor para Epson Stylus color, etc.

      O Hardware-HOWTO contém referências sobre hardware suportados pelo GNU/Linux, tal como impressoras e sua leitura pode ser útil.

    • -r<ResH>x<ResV> - Define a resolução de impressão (em dpi) Horizontal e Vertical. Os valores dependem de sua impressora.

    • -sPAPERSIZE=tamanho - Tamanho do papel. Podem ser usados a4, legal, letter, etc. Veja a página de manual do gs para ver os outros tipos suportados e suas medidas.

    • -sOutputFile=dispositivo - Dispositivo que receberá a saída de processamento do gs. Você pode especificar

      • arquivo.epson - Nome do arquivo que receberá todo o resultado do processamento. O arquivo.epson terá toda a impressão codificada no formato entendido por impressoras epson e poderá ser impresso com o comando cat arquivo.epson >/dev/lp0.

        Uma curiosidade útil: É possível imprimir este arquivo em outros sistemas operacionais, tal como o DOS digitando: copy /b arquivo.eps prn (lembre-se que o DOS tem um limite de 8 letras no nome do arquivo e 3 na extensão. Você deve estar compreendendo a flexibilidade que o GNU/Linux e suas ferramentas permitem, isso é só o começo.

      • impressao%d.epson - Nome do arquivo que receberá o resultado do processamento. Cada página será gravada em arquivos separados como impressao1.epson, impressao2.epson.

        Os arquivos podem ser impressos usando os mesmos métodos acima.

      • /dev/lp0 para uma impressora em /dev/lp0

      • - para redirecionar a saída de processamento do gs para a saída padrão. É útil para usar o gs com pipes |.

      • \|lpr - Envia a saída do Ghost Script para o daemon de impressão. O objetivo é deixar a impressão mais rápida.

      Se você é curioso ou não esta satisfeito com as opções mostradas acima, veja a página de manual do gs.


22.5 Magic Filter

O Magic Filter é um filtro de impressão inteligente. Ele funciona acionado pelo spool de impressão (mais especificamente o arquivo /etc/printcap) e permite identificar e imprimir arquivos de diversos tipos diretamente através do comando lpr arquivo.

É um ótimo programa e ALTAMENTE RECOMENDADO se você deseja apenas clicar no botão imprimir e deixar os programas fazerem o resto :-) A intenção do programa é justamente automatizar os trabalhos de impressão e spool.

A maioria dos programas para ambiente gráfico X11, incluindo o Netscape, Word Perfect, Gimp e Star Office trabalham nativamente com o magicfilter.


22.5.1 Instalação e configuração do Magic Filter

O Magic Filter é encontrado no pacote magicfilter da distribuição Debian e baseadas.

Sua configuração pode ser feita com o programa magicfilterconfig que torna o processo de configuração rápido e fácil para quem não conhece a sintaxe do arquivo /etc/printcap ou não tem muitas exigências sobre a configuração detalhada da impressora.

Após instalar o magicfilter reinicie o daemon de impressão (se estiver usando a Debian, entre no diretório /etc/init.d e como utilizador root digite ./lpr restart ou ./lprng restart).

Para testar o funcionamento do magicfilter, digite lpr alphabet.ps e lpr tiger.ps, os arquivos serão enviados para o magicfilter que identificará o arquivo como Pos Script, executará o Ghost Script e retornará o resultado do processamento para o daemon de impressão. O resultado será visto na impressora.

Se tiver problemas, verifique se a configuração feita com o magicfilterconfig está correta. Caso precise re-configurar o magicfilter, digite magicfilterconfig --force (lembre-se que a opção --force substitui qualquer configuração personalizada que tenha adicionado ao arquivo /etc/printcap).


22.5.2 Outros detalhes técnicos sobre o Magic Filter

Durante a configuração do magicfilter, a seguinte linha é adicionada ao arquivo /etc/printcap:

:if=/etc/magicfilter/epson9-filter

Não tenho nenhum contrato de divulgação com a epson :-) estou usando esta marca de impressora porque é a mais tradicional e facilmente encontrada. A linha que começa com :if no magicfilter identifica um arquivo de filtro de impressão.

O arquivo /etc/magicfilter/epson9-filter é criado usando o formato do magicfilter, e não é difícil entender seu conteúdo e fazer algumas modificações:

#! /usr/sbin/magicfilter
#
# Magic filter setup file for 9-pin Epson (or compatible) printers
#
# This file is in the public domain.
#
# This file has been automatically adapted to your system.
#
# wild guess: native control codes start with ESC
0 \033 cat
# PostScript
0 %! filter /usr/bin/gs -q -dSAFER -dNOPAUSE -r120x72 -sDEVICE=epson -sOutputFile=- - -c quit
0 \004%! filter /usr/bin/gs -q -dSAFER -dNOPAUSE -r120x72 -sDEVICE=epson -sOutputFile=- - -c quit
# PDF
0 %PDF fpipe /usr/bin/gs -q -dSAFER -dNOPAUSE -r120x72 -sDEVICE=epson -sOutputFile=- $FILE -c quit
# TeX DVI
0 \367\002 fpipe /usr/bin/dvips -X 120 -Y 72 -R -q -f
# compress'd data
0 \037\235 pipe /bin/gzip -cdq
# packed, gzipped, frozen and SCO LZH data
0 \037\036 pipe /bin/gzip -cdq
0 \037\213 pipe /bin/gzip -cdq
0 \037\236 pipe /bin/gzip -cdq
0 \037\240 pipe /bin/gzip -cdq
0 BZh pipe /usr/bin/bzip2 -cdq
# troff documents
0 .\?\?\040 fpipe `/usr/bin/grog -Tps $FILE`
0 .\\\" fpipe `/usr/bin/grog -Tps $FILE`
0 '\\\" fpipe `/usr/bin/grog -Tps $FILE`
0 '.\\\" fpipe `/usr/bin/grog -Tps $FILE`
0 \\\" fpipe `/usr/bin/grog -Tps $FILE`

Você deve ter notado que para cada tipo de arquivo existe o respectivo programa que é executado, basta você modificar as opções usadas nos programas neste arquivo (como faria na linha de comando) para afetar o comportamento da impressão.

Por exemplo, modificando a resolução para -r240x72 no processamento de arquivos Pos Script (gs), a impressora passará a usar esta resolução.


[ anterior ] [ Conteúdo ] [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] [ 7 ] [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] [ 11 ] [ 12 ] [ 13 ] [ 14 ] [ 15 ] [ 16 ] [ 17 ] [ 18 ] [ 19 ] [ 20 ] [ 21 ] [ 22 ] [ 23 ] [ 24 ] [ 25 ] [ 26 ] [ 27 ] [ 28 ] [ 29 ] [ 30 ] [ 31 ] [ 32 ] [ próximo ]


Guia Foca GNU/Linux

Versão 5.60 - terça, 27 de novembro de 2007

Gleydson Mazioli da Silva gleydson@guiafoca.org