Segurança: os 25 erros de programação mais perigosos

Mostrar todo o tópico

Administração

Segurança: os 25 erros de programação mais perigosos

depth:
0
 
Administração  Membro   Postagens: 2360

Os 25 erros de programação mais perigosos segundo a SANS

Saiu no site da SANS a lista criada com o consenso entre varios profissionais e empresas do ramo de segurança e desenvolvimento descrevendo os 25 erros de programação mais perigosos para o desenvolvimento seguro. Eu vou traduzir os nomes e informação básicos mas o melhor é ler o artigo na íntegra, em inglês.

Os erros estão separados em três categorias: Interação insegura entre componentes, Gerenciamento arriscado de recursos, Defensas porosas.

Categoria: Interação insegura entre componentes

  1. Validação Imprópria de Entradas: Entradas que recebem dados e os aceitam mesmo sem certificar que eles são do tipo/formato esperado.
  2. Codificação ou Escape Impróprios de Saída: Saídas que não são codificadas ou escapadas corretamente são a maior fonte de ataques de injeção de código.
  3. Falha ao Preservar a Estrutura da Busca SQL (conhecido como Injeção de SQL): Se os atacantes podem influenciar as procuras SQL do seu programa, então eles podem controlar o seu banco de dados.
  4. Falha ao Preservar a Estrutura do Código da Página (conhecido como “Cross-site Scripting”): Assim como o anterior, se os atacantes podem injetar código ou scripts em sua página, eles podem controlar a página.
  5. Falha ao Preservar a Estrutura de Comandos do Sistema Operacional: Se você permitir que entradas ilegais sejam passadas para aplicativos do sistema operacional, o atacante pode controlar o servidor.
  6. Transmissão de Dados Sensíveis em Texto Puro: Senhas, dados de cartão e qualquer informação considerada sensível deve ser criptografada.
  7. Falsificação de Requisição Entre Sites: Um atacante pode criar uma requisição que é enviada a outro site forjando a origem e fazendo o mesmo partir de um usuário inocente, aproveitando credenciais de autenticação e acessos.
  8. Condição de Corrida: Atacantes vão sempre procurar por condições de corrida no software para conferir se alguma informação importante não é obtida no processo.
  9. Vazamento de Informações em Mensagens de Erro: Atacantes vão procurar por mensagens de erro que descrevam mais que o necessário, como nomes de campos SQL, objetos e bibliotecas sendo utilizadas.

Categoria: Gerenciamento arriscado de recursos:

  1. Falha ao Limitar Operações aos Limites de um Buffer de Memória: O conhecido buffer overflow.
  2. Controle Externo de Dados Sensíveis: Informações críticas que são mantidas fora de um banco de dados por questões de performance não deviam ser facilmente acessíveis por atacantes.
  3. Controle Externo de de Caminho ou Nome de Arquivo: Quando você usa dados externos para montar um nome de arquivo ou caminho de gravação, você está se arriscando a ser atacado.
  4. Caminho de Procura Inseguro: Se o caminho de procura de recursos estiver em algum lugar sob controle de um atacante, bibliotecas ou código pode ser inserido a revelia.
  5. Falha ao Controlar a Geração de Código: Caso o atacante consiga influenciar a geração de código dinâmico (se geração de código dinâmico for utilizada no programa) ele poderá controlar todo seu código.
  6. Download de Código sem Verificação de Integridade: Se você executa código obtido por download, você confia na fonte. Atacantes podem aproveitar esta confiança.
  7. Desligamento ou Liberação Impróprias de Recursos: Arquivos, conexões e classes precisam ser corretamente encerradas.
  8. Inicialização Imprópria: Dados, bibliotecas e sistemas inicializados incorretamente podem abrir margens para problemas.
  9. Cálculos Incorretos: Quando o atacante tem algum controle sobre as entradas usadas em operações matemáticas, isso pode gerar vulnerabilidades.

Categoria: Defensas porosas:

  1. Controle de Acesso Impróprio: Se você não garante que seus usuários estão fazendo apenas o que deviam, os atacantes irão se aproveitar de sua autenticação.
  2. Uso de um Algoritmo Criptográfico Quebrado ou Vulnerável: Utilização de algoritmos fracos ou comprometidos levam a falhas de criptografia e vulnerabilidades.
  3. Senha no Código: deixar um usuário e uma senha no próprio código traz inúmeros problemas.
  4. Permissão de Acesso Insegura para Recurso Crítico: Configurações, arquivos de dados e bancos de dados devem ter suas permissões de acesso protegidas.
  5. Uso de Valores Insuficientemente Aleatórios: Se você usa tipos de segurança que dependem de aleatoriedade, usar um gerador aleatório insuficiente só vai causar problemas.
  6. Execução com Privilégios Desnecessários: Se seu programa precisa de privilégios elevados para executar suas funções, ele deve abrir mão destes direitos assim que ele termina de executar as ações que precisavam dos privilégios.
  7. Aplicação de Segurança do Lado do Servidor pelo Cliente: Atacantes podem usar engenharia reversa em um cliente de software e escrever seus próprios clientes removendo testes e aplicações de segurança.

Tradução: Core.eti.br, Mikhail, Tradutor do Google.

Ramificar

  Pesquisa avançada






Entrada

Codinome:


Senha:





Perdeu a senha?  |Cadastre-se!


Quem nos visita
Há 51 visitantes neste momento... (40 na seção Fóruns)

Associados: 0
Anônimos: 51

outros...

Banner XOOPS Cube